O IRLANDÊS, um dos filmes de maior orçamento da Netflix.

O IRLANDÊS: A OBRA PRIMA DA 7ª ARTE

Esse é um daqueles filmes que se não ficar na história, pelo menos, tenta. Porque tem tudo para tal. Só pela duração dele já é um feito e tanto. 209 minutos é um recorde que nem Titanic (James Cameron), teria pensado. Acho que se O Irlandês, a mais nova produção do renomado Martin Scorsese, em parceria com a gigante do streaming Netflix, fosse competir em termos de duração, acredito que perderia apenas para E o Vento Levou (Victor Fleming). Com um orçamento de aproximadamente US$ 159 milhões e um elenco com nomes consagrados do cinema como Robert De Niro, Al Pacino, Joe Pesci dentre outros, conta a trama de um filme épico americano, baseado no livro de memórias do investigador e advogado Charles Brandt, “I Heard You Paint Houses”, lançado em 2004, onde relata o caso de Frank – codinome “The Irishman” Sheeran -, um sindicalista com ligações ao crime organizado que, pouco antes de morrer – um ano antes da publicação do livro – confessou ter assassinado o líder sindical Jimmy Hoffa, desaparecido em 1975. Assim a trama segue a história de Sheeran, Jimmy Hoffa e Russell Bufalino, respectivamente, enquanto um deles relata os seus trabalhos como mercenário para a família mafiosa Bufalino.

 

LONGEVA PARCERIA

 

Essa é a nona colaboração entre Robert De Niro e Al Pacino (vide O Padrinho: Parte II ou O Poderoso Chefão II Heat e Righteous Kill); e o quinto a estrelar Pacino e Pesci juntos (vide: Raging Bull, Era Uma Vez na América, Goodfellas e Casino); e a primeira vez que Pacino foi dirigido por Scorsese.

Em setembro de 2014, Scorcese confirmou que o próximo projeto, após terminar o filme Silêncio de 2016, seria o de realizar O Irlandês. De Niro e Pacino foram confirmados naquele mês, assim como Pesci, que depois de ser convidado diversas vezes para assumir o papel, regressou à representação, interrompendo a sua não oficial aposentadoria. Sendo que a fotografia começou em 2017 em Nova Iorque e terminou em março de 2018. Com um orçamento de produção (valores citados acima) sendo um dos mais caros da carreira do diretor.

A produção teve sua estreia mundial no 57º Festival de Cinema de Nova Iorque a 27 de setembro de 2019 e um lançamento limitado a 1 de novembro de 2019 pela Netflix. Recebendo aplausos pela crítica, destacando os aspectos técnicos, direção, roteiro ou argumento e as performances do elenco principal.

É realmente um filme muito longo, isso pode cansar o telespectador, apesar do filme ser muito bem desenvolvido e história envolvente, esse é o maior defeito dessa recente produção do Scorsese. A trama poderia ser mais fluida se tivesse uns trinta minutos a menos, quanto os demais aspectos citados, são incríveis. Uma verdadeira obra prima da 7ª arte.

 

Post Author: Ray Monteiro

Olá, sou Raymundo Monteiro, escritor e humorista. Estou aqui iniciando minha tentativa de ser colunista, aproveitando essa oportunidade que o site Cinco Tons deu. Obrigado, Cinco Tons!

2 thoughts on “O IRLANDÊS: A OBRA PRIMA DA 7ª ARTE

    Mário

    (28 de novembro de 2019 - 22:18)

    Nossa! Um filme com mais de 3 horas de duração. Quase conseguiu chegar à metade do tempo que dura a minha ereção.

    Vou falar sério, agora: “Sério”. Apesar de longo, um filme, se bem roteirizado e bem dirigido, pode prender a atenção do espectador. Deu vontade de assistir. Primeiro, pra ver se conseguiram tal façanha. Segundo, pra conferir se a direção de Martin Scorsese continua tão afiada quanto a língua dele.

      Ray Monteiro

      (29 de novembro de 2019 - 14:29)

      Muito obrigado, Mário Hugo, pelo comentário! Seu contato foi, é e sem pre será muito importante. Abração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *