A Grande Luta, da Netflix, é um filme sem grandes pretensões. É como uma diversão passageira -- ao mesmo tempo, esquecível. Leia e assista a nossa crítica.

A Grande Luta | Veja a crítica do filme Netflix

A Grande Luta é um filme que tem duas funções claras: divertir e fazer propaganda da WWE. O longa é uma co-produção da empresa de streaming e a responsável por campeonatos de luta livre nos Estados Unidos.

Por isso mesmo, tem uma história familiar, ao mesmo tempo em que faz questão de apresentar seus astros. As pontas que eles fazem servem quase como um easter egg.

Veja a crítica:

(Outra produção na Netflix que tem um dedo da WWE é The Big Show Show, série estrelada por um dos astros do gênero. Estreou nesta semana no catálogo, e nós também já falamos dela no site e no canal. Caso queira ver a nossa crítica, clique aqui).

A Grande Luta acompanha a história de Leo Thompson. O garoto tem 11 anos e tem um grande sonho: participar de um campeonato da WWE. No entanto, como ainda é um pré-adolescente, ele não tem como. Além disso, é fraco e retraído. Um dia, porém, ele descobre uma máscara mágica que lhe dá poderes extraordinários.

Ao usá-la, Leo fica forte, ágil e vê uma chance de realizar seu sonho. Então, ele se inscreve em um torneio de luta livre, onde enfrenta os grandes nomes do esporte.

 

A Grande Luta passaria na Sessão da Tarde

Só pelo resumo entende-se que A Grande Luta é o típico filme para a família toda. Coisa que passaria facilmente em uma Sessão da Tarde, clássico espaço para filmes do tipo na Globo. A ideia no filme é justamente essa: criar um veículo para fazer propaganda da WWE, mas que também prenda a atenção da criança e do adulto. Na maioria do tempo, consegue alcançar esse objetivo.

Muito disso acontece por conta de Seth Carr. O garoto, que tem trabalhos coadjuvantes em outros filmes como Pantera Negra, segura bem o filme e o leva até o fim. Toda a história é ancorada em seu personagem, e ele consegue carregar o longa nas costas baseado em seu carisma. E isso, ele tem de sobra.

Quanto a história, ela é ridícula de propósito. A Grande Luta não quer passar grandes mensagens além daquela que está bem visível: “acredite em você, acredite em seus sonhos”. Não é o tipo de filme para se prestar atenção em qualquer outra coisa além do óbvio. O objetivo, além de fazer a propaganda do esporte, é tão somente a diversão.

Como já foi dito, A Grande Luta traz participação de grandes nomes do WWE. Também já disse, na crítica sobre The Big Show Show, que não sou fã desse esporte em específico, ainda que o respeite. Por isso, não conheço nenhum atleta pelo nome. Mas há a certeza de que os fãs de luta livre saberão reconhecer quando eles aparecem.

A Grande Luta, entretanto, tem também algumas cenas inspiradas. O momento em que Leo descobre os poderes da máscara e sua primeira luta na competição são bem sacadas. No mais, é um filme sem grandes pretensões. Dessa forma, se pode considerar esse longa como uma diversão passageira — ao mesmo tempo, esquecível.

Post Author: Luiz Henrique Oliveira

Nascido em Capão Bonito, criado em Itapetininga, residente de São Paulo. Gosta de filmes, de séries, de livros e de dar uns rolês aleatórios. Acha "O Poderoso Chefão" o melhor filme do mundo quando não lembra que "2001" consegue ser melhor. É religioso: tem muita fé em Stanley Kubrick.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *