Apesar de parecer piegas, Code 8: Renegados flui de maneira linear e agradável. As diferentes cenas de ação são boas e bem gerenciadas. Veja a crítica.

Code 8 Renegados | Leia a crítica do filme Netflix

Code 8: Renegados foi produzido com dinheiro arrecadado através de uma longa campanha de crowdfunding. Depois desse enorme caminho, chegou nesta semana ao catálogo da Netflix.

Trata-se de uma ficção científica que usa clichês do gênero que foram usados ​​muitas outras vezes. A história de uma minoria que foi colocada à margem da sociedade por um governo opressor já teve algumas representações no cinema. Sobretudo histórias com os ecos de “vida real” na sociedade moderna.

Como em X-Men, aquilo que é “diferente” gera medos na maioria e é frequentemente vítima de discriminação. Elementos esses que são frequentemente usados ​​na construção de personagens de ficção com um pé na realidade. Esse é o mote de Code 8: Renegados.

A história se passa em uma cidade do futuro onde 4% da população tem superpoderes. Essa pequena minoria é deixada de lado pelos governantes, que considera esses poderes como ilegais. Para reprimi-los, usa uma polícia particularmente violenta e bem treinada. Nessa história, conhecemos um desses homens com superpoderes, que precisa praticar pequenos crimes para ajudar a mãe doente. Dessa forma, ele ganha a vida. Um dia, ele é convocado para um bando que faz assaltos maiores e mais perigosos.

Apesar de parecer piegas, Code 8: Renegados flui de maneira linear e agradável. As diferentes cenas de ação são boas e bem gerenciadas. Além disso, traz os primos Robbie e Stephen Amell no elenco.

Veja a crítica completa:

Veja também nossa crítica de Milagre na Cela 7, um dos filmes mais falados do momento e que está na Netflix.

Post Author: Luiz Henrique Oliveira

Nascido em Capão Bonito, criado em Itapetininga, residente de São Paulo. Gosta de filmes, de séries, de livros e de dar uns rolês aleatórios. Acha "O Poderoso Chefão" o melhor filme do mundo quando não lembra que "2001" consegue ser melhor. É religioso: tem muita fé em Stanley Kubrick.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *