Para entender a nossa existência, é preciso autoconhecimento

Estamos nós, seres humanos, sujeitos ao mero acaso no Universo? Existe algum sentido para a nossa existência individual e a da nossa existência conjunta enquanto cidadãos do planeta Terra?

Quando pensamos sobre as situações que passamos em nossas vidas, muitas vezes acaba difícil de compreender por quê temos que lidar com determinadas circunstâncias. Dessas, que muitas vezes parecem muito difíceis ou impossíveis de ser combatidas e superadas. Só para citar alguns exemplos: relacionamentos abusivos, relações familiares conflitantes, depressão… Entre outras mazelas que atingem, de muitas formas diferentes, quase todas as pessoas que habitam o nosso planeta.

Para muitas pessoas, o acaso é o efeito que comanda o Universo. Para outros, é a sorte (ou azar, para alguns) que são as únicas fontes causais de tudo o que acontece. Em uma sociedade em que somos proibidos de falar sobre praticamente tudo, nos foi ensinado simplesmente a não questionar. Dessa forma, nem mesmo sequer cogitar outras possibilidades além dos velhos e cansados dogmas já existentes. Seja no campo da religião, no campo da sociologia, da filosofia, da ciência etc. Dessa forma, é fácil afirmar que nossa sociedade está infectada pela forte apatia que há muitos e muitos séculos vem sendo introduzida em todas as massas. Isso para que o poder e a “verdade” não saia das mãos de quem o possuiu desde sempre.

Viver em um mundo que é palco de tantas tragédias e repleto de problemas é desafiador por si só. Não compreender o sentido da própria existência faz com que os desafios deixem de ser apenas provas que, de alguma forma, mesmo que dolorosa, nos levarão ao exato entendimento que precisamos ter para evoluir.

 

O verdadeiro temor em nossa existência

Por fim, isso se torna na maioria das vezes, fardos que carregaremos a vida toda. E por quê? Porque não procuramos nos aprofundar através da razão em nossas próprias experiências.

O autoconhecimento (e consequentemente o conhecimento mais profundo de tudo que nos rodeia) acaba sendo o caminho mais fácil para conseguirmos montar esse belo quebra-cabeça que é a nossa vida. Começamos a trilhar o caminho do entendimento simplesmente refletindo sobre tudo aquilo que tira o nosso próprio sono. Será mesmo que não existe um significado maior por trás de toda a nossa história? Quais ensinamentos o Cosmos (que significa harmonia; ordem; organização) estaria tentando nos passar através das nossas experiências aqui na Terra? Será que a vasta e profunda inteligência que o nosso Universo possui só não funciona aqui, em nossa tão maravilhosa morada planetária?

E por que será que todas as fontes de poder da Terra, que estão atualmente ligadas exclusivamente a fatores materiais e a ganância, temem tanto determinados assuntos? Como por exemplo: extraterrestres, vida após a morte e outras questões que transcendem a atual e limitada compreensão humana. Por que esses poderosos impedem que esses assuntos sejam abordados de forma ampla e profunda? O que eles realmente perderão se nos tornarmos seres que não mais aceitam meias verdades como verdades absolutas?

Cabe a cada um de nós questionar, refletir e decidir se desejamos continuar permitindo que a nossa preciosa e importante existência continue sendo tida como uma obra mal acabada do acaso. Consequentemente, nos deixando a mercê de um fim que sempre é vazio e sem sentido. Sim, pois esse é o único destino (e não por acaso) que eles querem que nós acreditemos que teremos.

Post Author: Gael Freitas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *