Valeu a pena assistir “Desventuras em Série”?

Por anos, os fãs da série de livros de Lemony Snicket (Daniel Handler) ficaram no limbo. Isso por causa da espera de continuação da adaptação cinematográfica de “Desventuras em Série” de 2004. O filme obteve bastante sucesso, e é difícil encontrar uma pessoa que ainda não o tenha assistido. Nomes de peso como os de Jim Carrey, Meryl Streep e Jude Law ficaram marcados por suas interpretações na obra. E, para o desalento dos fãs, a continuação nunca veio. Além disso, muito do que se passa na série de treze livros nunca foi contado na telona.

As desgraças acontecidas na vida dos três irmãos Baudelaire após a morte de seus pais num misterioso e sinistro incêndio são o arco central da história. Os acontecimentos nada felizes parecem surgir aos montes na vida dos órfãos, enquanto passam por alguns tutores. Estes, no fim das contas, se mostram inúteis na tarefa de cuidar das crianças. O público fica ciente, desde o começo, de que não devem esperar por um final feliz. A série de desgraças faz com que os irmãos se protejam e se sintam na obrigação de desvendar o mistério que cerca o acidente que vitimou seus pais. Se é que foi um acidente.

A série já finalizada contou com três temporadas produzidas pela Netflix. No elenco, conta com Neil Patrick Harris (Garota Exemplar) no papel do maligno Conde Olaf. A produção também conta com Malina Weissman, Louis Hynes e Presley Smith. Eles surgem interpretando os personagens principais: Violet, Klaus e Sunny Baudelaire.

 

Pontos positivos e negativos em “Desventuras em Série”

"Desventuras em Série" pode ser complicada de maratonar, mas se tiver paciência, ela é bem recompensadora.A saga de desgraças que acompanha a vida dos três jovens se desenrola de maneira caricata. Dessa forma, temos cenas de drama que beiram o absurdo na maioria dos momentos. Às vezes, ajudados por pessoas que se sensibilizam com a situação de extremo perigo em que eles encontram, chegamos a pensar que tudo está resolvido. Que não há mais razão para medo. No entanto, logo em seguida uma nova catástrofe os acomete.

As três temporadas contam com oito, dez e sete episódios, respectivamente. Somos guiados pela trama através da narração de Patrick Warburton, que deu voz ao autor da história, Lemony Snicket. De inicio, o que parece ser apenas o narrador acaba se embrenhado na trama. Assim, aos poucos vamos percebendo que Snicket é um personagem importante para o desenrolar da narrativa.

Os pontos de destaque positivo em “Desventuras em Série” ficam por conta da produção visual de extrema qualidade. Personagens irretocáveis no que diz respeito à aparência e cenários que arremetem de fato ao clima sombrio e triste da história. Por outro lado, o único ponto negativo apresentado pela maioria do público foi que a série se mostrou cansativa para quem tentou assistir tudo de uma vez. Maratoná-la era uma missão quase impossível.

 

Tente novamente

Muito se falou sobre a divisão dos livros de acordo com os episódios. A primeira temporada engloba os quatro primeiros livros da série, “Mau Começo”, “A Sala dos Répteis”, “O Lago das Sanguessugas” e “Serraria Baixo-Astral“. O espectadores que decidiram maratonar os oito episódios acabaram se cansando, mesmo com o número pequeno de capítulos apresentados na série. Ao mesmo tempo que muita coisa acontece, há o clima de perguntas constantes sem resposta. Da mesma forma, a sequência de acontecimentos absurdos sem fim pode não ter agradado a maioria de quem se aventurou a assisti-la. E o sentimento final é de que não valia a pena acompanhar uma história que talvez não levasse a lugar nenhum.

Resumindo: apesar de ser uma série muito bem realizada, a série pode ser difícil de mataronar. Aqueles que tiveram a força de vontade para continuar não se arrependeram. Enquanto isso, pode-se dizer que a adaptação foi extremamente fiel aos livros. Inclusive, no que diz respeito ao seu final. Muitos que não acompanharam a obra literária estranharam o fim abrupto e aberto. A intenção era essa mesma. Nas páginas dos livros, é exatamente isso que acontece. Dessa forma, podemos considerar “Desventuras em Série” uma adaptação digna da obra de Daniel Handler. Por outro lado, é uma pena que muitos tenham desistido logo na primeira temporada. Se você foi um desses, tente novamente. Você pode se surpreender.

 

Post Author: João Neto

Paraibano de nascimento, atualmente morando em Curitiba, leitor assíduo, graduado em Biblioteconomia e livreiro por profissão com um vício intenso no consumo de séries e filmes e outro maior ainda em escrever o que achou deles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *