Crítica: “Beautiful Boy”, a beleza dramática e o desespero

Pensar em Steve Carell é, automaticamente, lembrar de suas citações na saudosa série “The Office”. Várias delas geraram centenas de memes, que são usados constantemente por milhões de usuários de redes sociais ao redor do mundo. Por essa série, o ator foi premiado com um Globo de Ouro em 2006. Carell é constantemente lembrado por seus papeis cômicos em filmes ou por emprestar sua voz para dar vida a personagens em animações. No entanto, este não é o caso em “Beautiful Boy”.

"Beautiful Boy" é uma jornada sobre a destruição que as drogas podem fazer na mente e no coração de uma família.

O filme conta uma história real. Em 2008, o escritor e jornalista do New York Times David Sheff lançou o livro de memórias “Beautiful Boy – A father’s journey through his son’s addiction”. Aqui no Brasil, foi lançado pela Editora Globo como “Querido Menino – A jornada de um pai com um filho viciado”. O livro biográfico trata sobre o período em que o filho mais velho de David, Nic Sheff, foi usuário de drogas. Principalmente metanfetamina. Ao mesmo tempo, fala sobre todos os recursos físicos e psicológicos que foram usados pelo pai para salvar a vida do filho e livrá-lo do vício.

Timothée Chalamet, mais conhecido pela sua participação em “Call Me By Your Name”, interpreta Nic. Ele é um jovem talentoso que mora com seu pai, madrasta e os dois irmãos mais novos. Tudo parece ir bem, e Nic mostra um talento para a escrita que parece ser o que vai lhe levar até a universidade. Quem sabe até uma carreira de sucesso como a de seu pai. Porém, a rotina começa a mudar.

 

Muito além de um drama comum

De maneira lenta e progressiva, o que começou com o uso de maconha em momentos de lazer acaba se transformando num vício sem precedentes. É isso que faz com que Nic deixe de lado a família, amigos, estudos, a prática de esportes. Dessa forma, o garoto hábil se torna um homem incapaz de se ajudar. Ou até mesmo, receber ajuda das pessoas próximas na maioria dos momentos.

Por anos, David e toda a sua família, bem como a sua ex-esposa e mãe de Nic, fizeram o possível e o impossível para que ele saísse da rua e do mundo das drogas. As internações em clinicas de reabilitação se mostraram sem sucesso, já que Nic sempre conseguia fugir. Sendo assim, o curto tempo sem as drogas era suprido por uma quantidade cada vez maior de metanfetamina. Esta era usada assim que fosse possível conseguir o produto. A mudança de ambiente da casa do pai para a casa da mãe em outro estado também se mostrou ineficiente. Durante quase uma década, o pai se viu desesperado buscando uma saída para a situação do filho.

Em primeiro lugar, é preciso dizer: Steve Carell esteve brilhante a frente do papel de David Sheff. Todas as cenas de discussões são magníficas. As situações absurdas pelas quais o personagem real passa para encontrar o filho que esteve fora de casa por períodos longos. Tudo nos faz participar em um nível íntimo do drama familiar.

 

“Beautiful Boy” é simples em sua essência

Chalamet e Carell formaram uma dupla que podemos dizer que esteve entrosada. É visível em cada segundo do longa metragem. Em especial, no que se trata de desenvolver suas desgraças conjuntas e individuais. Um se perguntava o que tinha feito de errado para que seu filho tivesse se tornado aquele estranho. Ao mesmo tempo, o outro lutava de inúmeras maneiras diferentes contra o vicio. Na maioria das vezes, perdia a batalha.

“Beautiful Boy” é um filme simples em sua essência e belíssimo na forma como passa sua mensagem. O longa é dirigido por Felix Van Groeningen, e possui grandes atuações e excelente fotografia. Um ponto a ser salientado é a trilha sonora. Ela vai de Nirvana e David Bowie até Zola Jesus, com cada música sendo encaixada perfeitamente em cada cena. Dessa forma, para mim, serviu para criar um nível de apego ainda maior à trama.

O filme vai muito além de um drama feito apenas com o propósito de causar o impacto de levar o público às lágrimas. Assim, “Beautiful Boy” é o tipo de filme dramático que se torna querido entre quem o assiste pela forma como a proposta é entregue.

Post Author: João Neto

Paraibano de nascimento, atualmente morando em Curitiba, leitor assíduo, graduado em Biblioteconomia e livreiro por profissão com um vício intenso no consumo de séries e filmes e outro maior ainda em escrever o que achou deles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *